Conheça detalhes da fábrica da Christophe Claret, na Suíça

De Le Locle, na Suíça*

Literalmente fincada em meio às montanhas da pequena cidade de Le Locle, na Suíça, a manufatura de uma das relojoarias de produção de modelos de alta complicação, Christophe Claret, está localizada. A magnitude de suas peças é elaborada por um seleto time que preza pela beleza e, claro, alta precisão – não apenas na marcação das horas, mas também nas maluquices de engenharia que saem da mente dele: Christophe Claret, homônimo fundador da companhia.

SAM_0714

Foto: Raphael Calles/WatchTime Brasil

Com seu inglês de sotaque carregado, com mais palavras em francês do que você pode imaginar, Claret nos acompanhou por uma breve visita pela manufatura que leva seu nome. Tivemos apenas uma hora para conhecer a fábrica – que mereceria, ao menos, uma manhã inteira.

As instalações com traços clássicos da área da recepção se contrastam com a modernidade dos maquinários instalados nos demais setores da fábrica, que produz modelos como Margot, simbólico e recente relógio da maison que apresenta a brincadeira “bem me quer, mal me quer” em seu mostrador, conforme você já leu aqui, no WatchTime Brasil. Este modelo possui um movimento composto de nada menos que 731 pequenas peças. Só o seu mecanismo ocupou cerca de 2 anos de funcionários e engenheiros da companhia. A montagem do relógio leva outros 12 meses de trabalho.

Modelo Margot na data de sua apresentação, durante a Baselworld 2015. Clique na imagem para visualizá-la em tamanho maior. Foto: Raphael Calles - WatchTime Brasil

Modelo Margot na data de sua apresentação, durante a Baselworld 2015. Clique na imagem para visualizá-la em tamanho maior. Foto: Raphael Calles – WatchTime Brasil

Assim como Margot, a grande maioria dos relógios da Christophe Claret é inteiramente produzida in-house – quando todos os seus detalhes, desde sua concepção, até o movimento e finalização, são produzidos sem o auxílio de terceiros. A empresa, inclusive, serve como fornecedora de movimentos e partes a outras relojoarias, são 65 no total. Todo o trabalho da manufatura é distribuído para 80 funcionários, que se dedicam à produção de relógios, movimentos e também trabalham para a marca.

A companhia informa que investimentos substanciais são realizados na aquisição de novas máquinas e desenvolvimento de novas ferramentas em parceria com seus engenheiros de design de movimentos todos os anos. Isto significa que os relógios terão sempre a regulagem correta, com as devidas ferramentas – e é por isso que levar um relógio muito complicado para uma manutenção alternativa pode prejudicá-lo para sempre.

Em computadores, a equipe de design elabora os traços de um novo relógio. Em seguida, um time de engenheiros é responsável por projetar o movimento ideal que pudesse realizar as funções imaginadas tanto pela equipe, quanto por Claret.

Rascunho inicial  do modelo BlackJack, uma das peças de alta complicação da marca

Rascunho inicial do modelo BlackJack, uma das peças de alta complicação da marca

Christophe Claret 21 Blackjack

Christophe Claret 21 Blackjack

Após este processo, o projeto segue para sua produção inicial, em que todas as peças que comporão o movimento são elaboradas. A manufatura suíça possui salas separadas para cada um dos itens que compõem o mecanismo, desde os rubis que integram os escapamentos, até a finalização das caixas.

Inicialmente usinados em máquinas, os elementos metálicos, produzidos com materiais que vão de aço a silício ou mesmo ouro, passam por um processo de fresagem – essencialmente os pinhões e engrenagens. O procedimento é realizado por máquinas que são capazes de realizar ajustes mínimos que possam alcançar os padrões de precisão estabelecidos pela manufatura – algo praticamente impossível de ser alcançado por mãos humanas.

Machinery_5_Cutting

Outras peças metálicas, essencialmente de aço, são encaminhadas para um processo de enrijecimento. O processo altera a estrutura molecular com o aquecimento e consequente rápido resfriamento de cada peça. Isso é realizado para que o metal ganhe maior resistência e dureza.

O que seria da relojoaria suíça sem o acabamento? Até mesmo as menores partes de um mecanismo, na Christophe Claret, são submetidas a um processo de decoração, principalmente a chanfragem. Ela consiste em retirar detalhes da usinagem e criar ângulos suaves em cada uma das peças. Inicialmente, estes ângulos são lixados, depois nivelados e finalmente passados em uma moagem de madeira para polir e dar brilho.

Finishing

Uma vez finalizadas, peças maiores, como pontes, placas, versos das caixas e até mesmo mostradores podem ser decoradas com granulação circular: desenhos de círculos que se sobrepõem, feitos com uma pequena máquina que adorna a peça. Os objetos a serem decorados são guiados por mãos humanas, o que requer muita estabilidade e atenção aos detalhes.

Comumente, as partes visíveis através do verso da caixa são decoradas com as chamadas côtes de Genève, um acabamento ainda mais sofisticado do que a granulação circular. Trata-se de um tratamento que remove muito do metal, portanto é dado em partes não-funcionais das peças que integram o mecanismo. Na Christophe Claret, são artesãos que comandam a peça e sua precisão sobre as máquinas que realizam a decoração, e não em máquinas semiautomáticas, como parte das relojoarias com produção em maior escala.

SAM_0752

Foto: Raphael Calles/WatchTime Brasil

Algumas peças contam, ainda, com um acabamento espelhado. Ele é realizado por uma placa de zinco e estanho com pó de diamante. Meticuloso, este processo pode levar entre 15 minutos e cinco horas. O tempo de trabalho pode variar até mesmo de acordo com o clima e a umidade do ambiente onde o artesanato é realizado. Por isso, o clima dentro da fábrica é bastante seco.

Depois das peças inteiramente decoradas, elas seguem para os relojoeiros, que realizam a complicada tarefa de montar o mecanismo. Qualquer erro no encaixe de um calibre, faz com que ele tenha que ser inteiramente desmontado e remontado novamente.

Christophe Claret (à direita) orienta uma de suas relojoaeiras

Christophe Claret (à direita) orienta uma de suas relojoaeiras

De lá, o mecanismo passa por testes com pessoas para que comprovam sua devida funcionalidade. Alguns deles já estão envoltos por suas caixas, outros não. Após o processo, eles recebem a parte frontal e traseira das caixas e são encaminhados para testes realizados por máquinas: simulação de movimento de pulso, estanqueidade, choques, vibração e precisão, seguindo uma cartilha disponibilizada àqueles que acompanham tais provas.

Assista, abaixo, um breve vídeo gravado no momento em que um dos relojoeiros da companhia testa a funcionalidade do modelo Margot:

As pedras preciosas e itens de maior valor são armazenados em uma “sala dos tesouros”, com cofres e controle de estoques. Caixas com incrustação de pedras e também gravadas são realizadas dentro dos limites da manufatura, com artesão e salas voltadas especialmente para este intuito.

O resultado de tanto trabalho e expertise técnica pode ser visto na gama de relógios produzidos pela companhia. São, ao todo, 4 coleções que contam com 12 peças. Os relógios têm um valor que varia entre 49.000 e 476.000 Francos Suíços.

Você pode realizar, abaixo, um tour virtual pela manufatura:

 

www.christopheclaret.com

 *A hospedagem do jornalista foi oferecida pela Christophe Claret.

 
 

Tags: Christophe Claret 21 BlackjackChristophe Claret Margot

Compartilhar artigo:
 
 

Relógios relacionados


Christophe Claret
Dualtow

Christophe Claret
Dualtow

Christophe Claret
Dualtow

Christophe Claret
DualTow Night Eagle

Christophe Claret
Adagio

Christophe Claret
21 Blackjack

Christophe Claret
X-Trem-1

 
 

Newsletter

Cadastre-se aqui e receba uma vez por semana gratuitamente a newsletter do WatchTime Brasil com as melhores notícias, avaliações, recursos e atualizações sobre relógios diretamente da equipe WatchTime Brasil.

Siga o WatchTime Brasil

Assinar via Feed RSS Seguir no Instagram Seguir no Pinterest Seguir no Google Plus Participar do nosso grupo no LinkedIn Seguir no YouTube

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário pelo Facebook

Comentário(s) no Facebook