Conversamos com Fake Watch Hunter, o perfil brasileiro no Instagram mais polêmico do momento

Escrito por , 13/08/2015 em Entrevistas com 4 Comentários

FW_hunter_profileUm caçador de falsificações mascarado. Parece história de super-herói, mas ela acontece de verdade, na internet. Especificamente em uma das redes sociais de compartilhamento de fotos mais populares do momento, o Instagram. Ninguém sabe seu nome, mas ele atende por Fake Watch Hunter, ou caçador de relógios falsos. Ele não possui cara, nem corpo – só uma caricatura de Hunter S. Thompson, jornalista e escritor americano. Mas tem coragem e ousadia em denunciar perfis que ostentam relógios falsos. Você já leu hoje, mais cedo, uma matéria especial que explica por que você não deve comprar falsificações ou réplicas de relógios. Agora, lê uma entrevista exclusiva com o criador deste polêmico perfil.

Fake Watch Hunter concordou em falar conosco por e-mail, sob condição de anonimato. Confira:

Fake Watch Hunter: em poucos meses, mais de 5 mil seguidores no Instagram

Fake Watch Hunter: em poucos meses, mais de 5 mil seguidores no Instagram

WatchTime Brasil: Você possui um perfil no Instagram que apresenta pessoas vestindo relógios falsos e dá um “flagra” nelas. De onde surgiu esta ideia?

Fake Watch Hunter: Escrevi a palavra Relógio na área de busca do Instagram e apareceu dezenas de perfis comercializando abertamente réplicas. Entrei em alguns desses e vi diversos comentários. Fui ver quem eram essas pessoas e me deparei com relógios falsos, “ostentados” como reais, aí surgiu a ideia de criar um perfil para expor esta situação.

WTBR: Há não muito tempo surgiu o perfil Fake Watch Busta no Instagram. Sua inspiração para a abertura desta conta veio a partir disso?

FWH: Ver o sucesso que ele faz me motivou a acreditar que teria alguns seguidores.

Fake Watch Busta foi o perfil de inspiração para o herói brasileiro

Fake Watch Busta foi o perfil de inspiração para o herói brasileiro

WTBR: Qual foi o seu objetivo com a criação do perfil?

FWH: Pessoas compram réplicas por status, acreditando que são idênticas, “perfeitas”. Meu objetivo é mostrar para estas pessoas que estão sendo enganadas, que suas réplicas não são idênticas e que elas podem se expor ao ridículo.

WTBR: Qual é a sua formação e experiência para conseguir identificar os modelos falsos?

FWH: Horologia é um hobby para mim, coleciono e tenho um grupo de amigos que compartilham dos mesmos costumes. Muitos relógios já passaram pelas minhas mãos. A internet é uma ótima fonte de pesquisa também.

WTBR: Seus flagras incluem muitas pessoas famosas, ou que estão em voga na mídia. Qual é a reação destas pessoas ao serem flagradas com uma peça falsa? Você já enfrentou algum problema?

FWH: A reação costuma ser silenciosa, mas as fotos são apagadas do perfil e com isto contribuo para que réplicas parem de ser divulgadas. Não enfrentei nenhum tipo de problema, mas já recebi ameaças de processos à agressão física.

Flagras vão de pessoas comuns a famosos

Flagras vão de pessoas comuns a famosos

WTBR: Existem relatos de até mesmo realizarem o comércio de réplicas ou falsificações. Isso é verdade?

FWH: Já negociei alguns de meus relógios e também comprei alguns modelos usados. Quando me perguntam sobre o que acho de relógio usado respondo “relógio usado é igual a mulher: você se realmente se importa se foi o primeiro?” Quero dizer com isto que se eles tiverem sido tratados com amor e passado por uma revisão, não vejo problema algum. Já lidei com diversos joalheiros e nunca tive problema, há aquela velha frase que já virou clichê “não compre o produto, compre o vendedor”. Certamente deve haver joalheiros que vendem modelos falsos, ou tentam tirar algum tipo de proveito. Existem mal intencionado em todas as áreas.

WTBR: Como o leitor do WatchTime Brasil pode comprovar a autenticidade de um relógio que ele tem ou deseja adquirir?

FWH: Se tiver o relógio em mãos a melhor maneira é leva-lo a um relojoeiro de confiança e pedir para que ele abra e veja o movimento, podendo, assim, comprovar sua veracidade. Caso não o possua em mãos, o melhor que se pode fazer é achar a foto de um relógio original do mesmo modelo para comparar. Lembrando que há réplicas que só detectamos abrindo e verificando o movimento.

WTBR: Qual é o seu posicionamento sobre falsificações?

FWH: Este é um problema que acontece em grande escala, atinge diversos países, penas brandas e outras prioridades das autoridades facilitam a atuação de falsificadores.

WTBR: O que você recomenda àqueles que desejam comprar um modelo falso ou réplica?

FWH: “Você não pode colocar uma coroa em um palhaço e esperar um rei.” Pessoas buscam replica por status, recomendo que elas peguem o dinheiro que iriam usar para financiar o crime e procurem por modelos originais dentro de seu orçamento. Quem realmente gosta de horologia não compra relógio falso, não faz sentido.

WTBR: Muitos dos “flagrados” respondem às suas postagens com ofensas. Você acha que caberia a você tentar “educar” estas pessoas sobre comprar ou não um relógio falso?

FWH: Não acho e nem é minha intenção educar pessoas. Mas quando o flagrado se diz arrependido e que venderá suas réplicas e trocará por peças originais, fico com sentimento de dever cumprido, situação esta que já se repetiu algumas vezes.

 
 

Tags:

Compartilhar artigo:
 
 
 

Newsletter

Cadastre-se aqui e receba uma vez por semana gratuitamente a newsletter do WatchTime Brasil com as melhores notícias, avaliações, recursos e atualizações sobre relógios diretamente da equipe WatchTime Brasil.

Siga o WatchTime Brasil

Assinar via Feed RSS Seguir no Instagram Seguir no Pinterest Seguir no Google Plus Participar do nosso grupo no LinkedIn Seguir no YouTube

4 Comentários

URL Trackback RSS Feed Comentários

  1. JOÃO CARLOS MASTROBERTI disse:

    QUANDO O ASSUNTO É REPLICA ISTO É MUITO COMPLICADO. EXISTEM RÉPLICAS COM MAQUINAS MUITO BOAS E OUTRAS DE PÉSSIMA APARÊNCIA, TUDO É O PREÇO QUE SE PAGA. TENHO RELÓGIOS ORIGINAIS E REPLICAS DE PRIMEIRA LINHA. E NÃO ME ARREPENDO DAS COMPRAS QUE FIZ. O BRASIL É UM PAIS POBRE.

  2. Marcelo Liteka disse:

    Sobre réplicas, eu não as aprovo. Acho um desrespeito utilizar a marca de propriedade de outra empresa como alavanca para lucrar. Existe, e eu já vi algumas, réplicas até convincentes. Porém, ratifico, usando o nome de uma marca registrada de propriedade de outra pessoa, réplica acaba por se tornar um eufemismo de falsificação.

  3. gustavo disse:

    Eu não consigo entender o que leva alguém a expor outras pessoas por um motivo tão banal. Se o intuito da pessoa por trás do perfil Fake Watch Hunter é alertar o consumidor da falta de qualidade e outras mil desvantagens que uma falsificação possui, tudo bem. Mas expor pessoas por isso, é um exagero.
    Ao visitar a pagina, notei que há alguns videos de falsificações sendo destruídas, o que me parece um tanto hipócrita, pois ao ler alguns post, percebi que um motivo recorrente nas criticas era o fato da ilegalidade de se adquirir o relógio.

  4. Calferr disse:

    Bom, acredito que expor a imagem alheia é tão desonesto quanto comprar uma réplica, pois ninguém tem o direito de usar imagem de outra pessoa, lembrando também que existem peças por aí, que um leigo simplesmente não tem condições de comprovar a autenticidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deixe um comentário pelo Facebook

Comentário(s) no Facebook